Buscar Genéricos
Consulte aqui sobre os
medicamentos genéricos
ACESSO A MEDICAMENTOS
Com 32,46% de participação de mercado e respondendo por 85% dos produtos dispensados pelo Programa Farmácia Popular, os genéricos se constituíram no principal instrumento de saúde pública focado no acesso a medicamentos no Brasil.

Com os genéricos, o consumo de centenas de substâncias essenciais à manutenção da saúde, sobretudo as destinadas ao controle de doenças crônicas, foi ampliado significativamente nos últimos anos. Mercados de substâncias como o Atenolol, destinado ao controle da pressão arterial, e a Sinvastatina, adotada para o controle do colesterol cresceram mais de 8.000% no país.

Atualmente, há genéricos disponíveis para mais de 95% das doenças conhecidas, das mais simples às mais complexas, cobrindo tratamentos de doenças do sistema cardio circulatório, anti-infecciosos, aparelho digestivo/metabolismo, sistema nervoso central, antiinflamatórios hormonais e não hormonais, dermatológicos, doenças respiratórias, sistema urinário/sexual, oftalmológicos, helmínticos/parasitários, oncológicos e contraceptivos entre outros.

Os próximos anos reservam vencimentos de patentes importantes, de produtos para cardiologia, doenças do sistema nervoso e Parkinson, que em breve terão suas versões genéricas disponíveis à população.

Nos mercados relacionados às classes terapêuticas de medicamentos destinados ao controle de doenças crônicas, os genéricos se estabeleceram como líderes na preferência dos consumidores brasileiros.

Nas drogas destinadas ao controle do colesterol, os genéricos detêm 48% de participação nas vendas em unidades.

Já no segmento de drogas para controle do diabetes, os genéricos respondem por 38% das 117,1 milhões unidades comercializadas no país no último ano. No mercado de anti-hipertensivos os genéricos conquistaram 62% de participação em vendas, recorde absoluto entre todas as categorias Das 450,5 milhões de unidades de medicamentos comercializadas nesta área terapêutica 281,4 milhões são genéricos.
35%
Genéricos são mais baratos que os medicamentos de referência