Acesso a medicamentos

Com 35,24% de participação de mercado, os genéricos respondem por 85% dos produtos dispensados pelo Programa Farmácia Popular e se constituíram no principal instrumento de saúde pública focado no acesso a medicamentos no Brasil.

Com a chegada dos genéricos, o consumo de centenas de substâncias essenciais à manutenção da saúde dos brasileiros, sobretudo as destinadas ao controle de doenças crônicas, foi ampliado significativamente nos últimos anos. Desde o ano 2000, o país registra aumento no uso de medicamentos de várias categorias, como os antidiabéticos (+ 1.833%), anti-hipertensivos (809%) e antilipêmicos (2.855%).

Atualmente, há no Brasil genéricos disponíveis para mais de 90% das doenças conhecidas, das mais simples às mais complexas. Os próximos anos reservam vencimentos de patentes importantes, de produtos para cardiologia, doenças do sistema nervoso e Parkinson, que em breve terão suas versões genéricas disponíveis à população.

Genéricos no tratamento de doenças crônicas

No mercado de medicamentos para tratamento de doenças crônicas, os genéricos se estabeleceram como líderes na preferência dos consumidores brasileiros. Entre as drogas para controle de colesterol, por exemplo, eles detêm 78% de participação nas vendas em unidades.

Número semelhante ao do segmento de anti-hipertensivos: 73% de participação em vendas, recorde absoluto entre todas as categorias. De 609 milhões de unidades de medicamentos comercializadas nessa área terapêutica, 447 milhões são genéricos.

Já entre os antidiabéticos, os genéricos respondem por 30% dos 193 milhões de unidades vendidas no país nos últimos 12 meses.

Compartilhe: